Wednesday, September 14, 2005

"Um Olhar sobre a Arouca" na Lousã.



Numa organização da Câmara Municipal da Lousã, com o apoio do ISCIA , encontra-se patente, até ao próximo dia 18, no Museu Etnográfico daquela vila, a exposição "Um Olhar sobre a Arouca". À descoberta da Serra, Paulo Bastos traz-nos o Sr. Manel, brasões, cruzes, carroças, moreias, as pedras parideiras e muito mais. Arouca é uma simpática vila situada no extremo nordeste do distrito de Aveiro, num vale esguio e fértil, cercado por diversas serras. O Monte da Mó e a Serra da Freita, erguem-se aprumados e vigilantes, como escoltas que guardam o riquíssimo tesouro da vila. De entre as várias relíquias que poderá encontrar em Arouca, destacam-se o Mosteiro de Arouca, o qual compreende a Igreja paroquial e o túmulo de D. Mafalda, o Calvário, a Capela da Senhora da Mó e a Casa dos Malafaias, conhecida por "Casa Grande". Arouca É dotada de uma riqueza geológica muito forte, tendo no passado havido uma forte explorção de minerais, nomeadamente o volfrâmio. Agora subsistem apenas as ruínas das minas e as inúmeras escombreiras, que se podem visionar um pouco por todas as encostas. A serra da Freita é uma mistura de azuis e verdes, na qual contrastam o verde da densa vegetação e o azul dos vários rios que atravessam o vale e as montanhas. O rio Paiva é o maior e de todos o mais caudaloso, sendo um típico rio de montanha. As suas águas correm bravas, quase sempre, no fundo de desfiladeiros de vertentes abruptas mas, às vezes, também nos deliciam com a tranquilidade das suas águas nas praias fluviais As margens guardam, em alguns locais, uma vegetaçao esplendorosa e muito pouco degradada. É no planalto central da Freita que nascem os riachos que acabam por se fundir e originar o rio Caima, o qual se despenha na Frecha da Mizarela, que não é mais do que uma queda de água abrupta de 60 metros. Um fenómeno invulgar que tem lugar nesta serra, são as chamadas Pedras Parideiras, descrito pelos populares como "pedras que parem pedras", e que consiste na formaçao de novas pedras a partir da pedra-mãe de granito.
Paulo Bastos, nascido no ano de 1972, na pacata vila de Arouca, iniciou a sua actividade laboral em Aveiro, como funcionário público, no ano de 1996. Regressa mais tarde a partes fulcrais das suas origens através da fotografia, captando tudo o que de interessante a região tem para oferecer. Esta oportunidade surge no âmbito da disciplina de Fotojornalismo do Curso de Comunicação, o qual frequenta no ISCIA. O gosto pela fotografia perdurará no tempo, em busca do que de melhor há para fotografar. Na Lousã encontram-se expostas fotos a preto e branco. Paulo Bastos disponibiliza na internet, em www.paulo-serra.blogspot.com, as mesmas fotos mas a cores.

3 comments:

a voz feirense said...

Parabéns pelo Blog! Desejo os maiores sucessos a este Blog, bem como a todos que pretendem, de alguma forma, divulgar e contribuir para a dinamização do concelho onde vivem, como também é o meu caso.

Santa Maria da Feira: A Voz Feirense
avozfeirense@sapo.pt
http://avozfeirense.blogspot.com

Arouca.biz said...

Arouca.biz!

MAIS said...

sem sombra de dúvidas uma terra a visitar. Por favor não se esquecam de provar a posta arouquesa. sem a fama da mirandesa mas com muito mais sabor.
ventura Às vaquinhas que pastam na freita.